Assim como a Indústria 4.0, a logística 4.0 se diferencia das etapas anteriores da evolução da logística pelo uso da informação, que é usada para inovar na movimentação e na armazenagem de produtos. Com tudo conectado, a quantidade de informações envolvidas permite que algoritmos modernos complementem, por meio do aprendizado de máquina, tarefas do dia a dia.

O principal exemplo prático está nos avançados sistemas de gerenciamento de armazém (WMS). Um software moderno pode otimizar as operações diárias por meio de uma série de configurações. Por exemplo, se um material de alta saída, que fica em uma determinada localização, começa a dar espaço para um substituto, o WMS analisa a variação na demanda e decide mudar sua localização para uma área de menor movimento, endereçando os novos produtos para áreas mais privilegiadas sem que seja necessária nenhuma intervenção humana.

Os WMS modernos também auxiliam no task interleaving. Por meio dessa função, os novos sistemas permitem níveis de produtividade nunca antes vistos. É possível distribuir tarefas priorizando a eficiência em vez do tipo de tarefa, permitindo que os operadores possam efetuar o máximo de tarefas possível com o menor deslocamento, conforme a demanda existente.

O impacto da conectividade na logística

A conectividade é essencial para que os serviços logísticos de hoje utilizem todo o seu potencial. Para o Dr. Kai Beckhaus, Chefe do departamento de Sistemas logísticos da Jungheinrich, a conectividade vai triunfar em todos os níveis, independente do segmento da indústria e do porte do negócio.

“Percebemos isso com nossos clientes, que estão se preparando para a Indústria 4.0, e escolhem fornecedores logísticos que tenham soluções de integração e conectividade que correspondam às necessidades e aos avanços da indústria”, explica o executivo da Jungheinrich.

Um exemplo disso é o liftNAVIGATION, da Jungheinrich, que é um elevador de cargas semi automatizado para empilhadeiras, ideal para armazéns verticalizados. O sistema recebe informações sobre a localização da carga e a envia até o equipamento. O operador, então, só precisa posicionar a máquina e esperar que o veículo alcance automaticamente a carga na altura que estiver.

Além da conectividade, o conceito de logística 4.0 privilegia o aumento de eficiência energética. Entre os destaques estão empilhadeiras e transpaleteiras com baterias de íon-lítio, tecnologia que não requer manutenção ou troca e garante maior retorno de investimento, especialmente devido à longevidade três vezes maior que a das baterias de chumbo-ácido.

Últimas novidades de logística 4.0

Na última LogiMAT 2017, realizada em Stuttgart, na Alemanha, no início deste ano, a Jungheinrich apresentou novidades em sua linha de empilhadeiras automatizadas. Entre elas, está a selecionadora de pedidos automatizada EKS 215a, que, por não contar com cabine para o operador, melhorou significativamente a possibilidade de manobras.

Em breve, a empresa também deve trazer ao Brasil o Armazém Automatizado LRK, um sistema fechado de armazenamento com estantes verticalizadas e prateleiras de ambos os lados, no qual as mercadorias solicitadas são controladas e retiradas por um extrator e entregues por meio de uma abertura de acesso ergonomicamente posicionada.

Continue acompanhando o blog Tudo Sobre Logística e fique por dentro das principais novidades de logística 4.0.

Deixe uma resposta